18 de dez. de 2018

Corraboramedo

Feito mexer livro pronto azedo pitanga limão tamarindo manga verde escara infecciosa secreção por pura terra molhada pode serra mosquito tamanco de mulher palmatória balanço penhasco de patins penhasco e patins quando Caio escorrendo encantei um passar gol batido no tráfego da ferida venho dos dois passados em qualquer que fosse gamão todos se alistam as passas presos homens soltos e muita gente forte enfim cada no solo da pátria mãe nem tudo soma sonho enxergo parede gélida dores de antemão  sobressalta escorre entre os dedos da mão