Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2020

Joana - primeira parte.

  Carrego os percalços ando sem rumo em um rio sem mar. Um pássaro aparece morto e Joana o enterra. (Ela parece que está longe, longe.)Falta ar, está escuro, não vejo saída nesta terra podre. Vira o relógio que a hora acerta e outro dia recomeça. Finda a noite, o pássaro voa, Joana deixa o cemitério e me permito acordar dessa loucura pensante. O sol que agora brilha fortalece o cheiro de ave molhada, gente morta e um pássaro posto na gaiola. Nada Joana abaixo do precipício. Quase nunca fora permitido viver e voar. Começaram as férias quem sabe, Joana e eu enterraremos um pássaro morto, e eu a faça entender alguma coisa.  voando           azul

Tais anjos perturbados

  Pessoas inquietas não transportam jamais paz. Sorriem "falsitariamente" perdidos em vão em uma opaca luz. Nada durará eternamente, nem máscaras ou faces serão capazes de perdurar. Estes tristes tolos dizem tentando convencer a si próprios que fazem o bem, quando desconhecem o quanto de mal trazem em seus carmas despencados. Prestes a caírem, pela podre maldade exercida, pobres irrequietos, não escapam do mal que trazem em si quando desconhecem o mal trazido ao invés de lançado. Coitados, eles conseguem sorrir em inocente maldade. Insisto, fazem o mal consciente pelo mau hábito de desconhecer o que seria enobrecer seus espíritos. Descobri que alguns anjos, berram feitos crianças e outros nem sabem dizer não. Muitas almas atormentadas convivem neste meio. Coexistir bem e mal, luz e trevas, anjos e demônios, eu e vocês a beira de um precipício. Lembrara que ainda resta-me o voo azul e de paz. Almas irrequietas... Desconhecem a complexidade da simplicidade como revolução. Tais

Hoje

  Mesmo que eu calasse o resto da vida, o eco de tudo vivido persistiria a seguir valendo o peso na tua cruz. Por mais que meus pés reclamem, sigo o meu caminho. Ora luz da mente, ora luz do coração porque somos um pouco de tudo que nos deixamos elevar. Não quisera ser ou fazer-te: ovelha de sacrifício, embora muitas vezes quando somos sacrificados fomos de certa forma usados para melhoria de outrem ou, vice-versa. Mesmo que eu gritasse tudo o tempo inteiro existido, jamais poderia voar se assim não fosse acontecido. A iniciação põe fins e permitira o início de uma trégua. Paz e serenidade caminham comigo todos os santos dias. Mesmo que a minha língua não principiasse meus dedos comunicariam timidamente o acontecido. Registros aqui descritos. Proponho todos os dias, permitir-me, mudar conscientemente. Mudar. Posso mesmo permitir ao tempo cronológico esta faceta? Mudamos mesmo que não percebamos. Mudo, emudeço sempre canto de paz. Que 2010 seja justo a todos. Que o amor ao próximo seja