26 de jan. de 2021

Acalento

                      

    Queria levar algo que possível  fosse

                      retratar saudade em aprendizado
   uma acolhida querida que agora doía
    de onde não arrastasse quaisquer enganos
              Com olhos abertos e um coração reflito
                       Olhos úmidos revistos em paz contigo 
                     Rasgo o olhar para sanar um  sentido
                     Acalantando o futuro em colo firme
          pés molhados em chão agora rachado
      ressecado de sobras de alguns pesares
       a tristeza pisa na dureza das vidas
           e segue fraco com passos calados 
                ventre adentro ao tempo procura
                                                                               seguir 
arrastas  em acalento

Raros grãos

Feito pedregulho em meio a tantos outros

desagregam em grãos 

No passar do tempo adoecem meio a dureza

de escuras pedras 

Alguns raros grãos unindo - se a outros

contra a força do vento

Tentam impedir uma necrose mental 

Tantos grãos partiram ainda mais 
aos céus 

Outros desfalecem como os pedregulhos
 em átomos 

 invadidos pela ignorância regente da maestria

aos cacos, em pó 

então  vemos a civilização  decompor 
esfarelar
            esvaecer
                       desaparecer

Enquanto alguns grãos lutam insistentemente

apesar do caos

e uma luz que reflete

Podcast:  A obra literária do escritor Graciliano Ramos 

REFLETINDO VIDAS SECAS

https://padlet.com/christianeagra/ssqymyp9ftfgtdjk

Recommended

Acalento

                           Q ueria levar algo que possível  fosse                       retratar saudade em aprendizado    uma acolhida quer...